Células colunares endocervicais
19 de abril de 2009 | Autor:

O canal endocervical é recoberto por uma única camada de células colunares altas, secretoras de muco. O revestimento epitelial no canal penetra em pregas as quais podem ser grossas e longitudinais ou mais finamente agrupadas, como vilos capilares. Este aspecto é visto em 1.

14. Epitélio colunar endocervical normal. Neste corte a parte superficial de uma cripta é vista cortando a superfície mas, devido ao plano de secção, o restante da cripta parece uma estrutura glandular no estroma. É importante lembrar que o revestimento epitelial “glandular” no estroma endocervical é contínuo com a superfície do epitélio. (H &E, x 40)

15. Células colunares endocervicais. Células colunares endocervicais podem esfoliar como células isoladas (ver 45) mas é mais comum para esfoliação ocorrer como fragmentos de tecidos. Neste campo as células são vistas em grumos, apresentando aspecto de favo de mel, mas em uma das bordas três células são vistas em perfil. (x 80)

16. Células colunares endocervicais. Neste campo as faixas de células colunares endocervicais são todas vistas em perfil. Elas têm núcleo basal com citoplasma espumoso. Em algumas células pode ser reconhecida placa terminal e cílios. (x 80)

17. Células colunares endocervicais. Em grande aumento é possível comparar o padrão de cromatina nuclear da célula escamosa normal com a célula colunar endocervical. Nas últimas a cromatina é mais granular, com condensação da membrana. (x 80)

[Voltar]

Categoria: Citologia