ALERTA: diagnóstico diferencial da febre em caso de Dengue

A febre é uma manifestação clínica comum a diversas patologias. A sua presença é um alerta tanto para os pacientes como para os profissionais da assistência em saúde.

Nos casos de Síndrome Febril, a investigação etiológica irá determinar as hipóteses diagnósticas e a conduta clínica específica bem como a necessidade de investigação epidemiológica nos casos de patologias de interesse em Saúde Pública (notificação compulsória).

Várias doenças infecciosas transmissíveis possuem como característica importante a sazonalidade.

Nos períodos de elevação no número de casos de determinada patologia febril, é comum que esta seja considerada como primeira hipótese diagnóstica na maioria dos atendimentos. No entanto, o raciocínio clínico, a história epidemiológica e a experiência profissional dos técnicos envolvidos no atendimento ao paciente farão com que outras hipóteses sejam levantadas, aumentando a lista de outras patologias que formam o diagnóstico diferencial.

A formulação de uma lista de hipóteses, classificadas da maior para menor probabilidade, baseada em evidências clínico-laboratoriais e epidemiológicas, pode ser determinante para a conduta clínica correta e bloqueio de transmissão nos casos pertinentes, onde a notificação é o instrumento de ligação entre a equipe da assistência e a epidemiologia e controle.

Dengue e procedimentos cirúrgicos
Neste momento epidêmico, atenção especial deve ser dada na indicação de procedimentos cirúrgicos naqueles pacientes em que a Dengue possa fazer parte do diagnóstico diferencial.

Os sinais de alarme na Dengue como dor abdominal intensa, vômito persistente, hipotensão e choque, em paciente com relato de febre, apresentando espessamento de parede da vesícula e presença de derrame cavitário (pleura, pericárdio, abdome e pelve) pode lembrar várias patologias com indicação cirúrgica. Porém, em sendo dengue, a fragilidade capilar e a plaquetopenia pode conduzir o paciente para uma evolução desfavorável, o que não aconteceria caso ela não estivesse presente.

 

Quaisquer esclarecimentos adicionais poderão ser obtidos pelo e-mail: vetores@sesa.pr.gov.br e telefone: (41) 3330-4474.
Transcrito de notícia recebida por e-mail da Assessoria de Marketing Institucional do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná.

[Voltar]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *