Esfregaço na pós-menopausa

No esfregaço cervical, as células escamosas são obtidas a superfície do epitélio, portanto em uma mulher sexualmente matura, estas células serão somente superficiais intermediárias. Como o epitélio está sob influência hormonal, o padrão de descamação celular varia dependendo do estágio do ciclo menstrual, durante a gestação e puerpério e também na jovem pré-púbere e na mulher pós-menopáusica.

Seguindo à menopausa, três tipos principais de padrões celulares são vistos; intermediário (ou proliferativo), atrófico e misto. O padrão celular observado parece não ter relação com a presença ou ausência dos sintomas menopáusicos sistêmicos ou dos níveis hormonais no sangue. Além disso, não há evidência de que este padrão é progressivo, tornando-se mais atrófico conforme as idades da mulher. Isto parecia ser uma resposta individual do órgão alvo (epitélio vaginal) ao metabolismo dos esteróides da mulher.

As células superficiais podem estar ausentes ou escassas no esfregaço pós-menopáusico. Se mais de 10% estão presentes, uma investigação adicional necessária para identificar a razão para que este aparente efeito estrogênico, o qual pode acompanhar tumores de ovário, endométrio e mama. Isto também ocorre quando houver tratamento há longo tempo com medicamentos tais como digitálicos e tranqüilizantes. Contudo, poucos casos de mulheres normais com aumento de células superficiais tem sido publicados (DeWaard & Baanders van Halewigin; DeWaard et al., 1972)

10. Esfregaço pós-menopausico. Padrão de células intermediárias. Este é um esfregaço pós-menopáusico mostrando um padrão celular intermediário. O epitélio é ainda relativamente espesso e maturo ao nível de células intermediárias. (x 80)

11. Cérvix: epitélio pós-menopáusico. Este corte apresenta a aparência mais habitual do epitélio escamoso vaginal e cervical. Há uma condensação das camadas celulares e a maturação cessa no nível parabasal ou de células intermediárias pequenas. (H &E, x 62)

12. Esfregaço pós-menopáusico: padrão atrófico. Neste esfregaço o padrão celular correlaciona-se com o epitélio visto em 11. as células presentes variam de parabasais a intermediárias pequenas. Existe alguma degeneração nuclear e halos perinucleares são vistos. Células inflamatórias estão presentes devido a algum grau de vaginite, comum quando o epitélio é atrófico. (x 80)

13. Esfregaço pós-menopáusico: padrão celular. O terceiro padrão mais habitual é demonstrado neste campo. Isto provavelmente reflete imagem de vaginite atrófica a qual estimula mudanças degenerativas no epitélio, por esta razão todos os tipos de células estão presentes. Notar a névoa coccicea espessa e a presença de polimorfonucleares. Em alguns casos linfócitos ou histiócitos predominam; isto sugere dano adicional ao epitélio resultando em uma reação granulomatosa (ver 96 e 97). (x 80)

[Voltar]

0 comentário em “Esfregaço na pós-menopausa”

  1. Entrei nesta pagina por curiosidade e para saber um pouco mais sobre este assunto. O ano passado realizei alguns exames de rotina como papa nicolau e trans vaginal, no resultado acusou esfregaço de menopausa . A ginicologista nao me explicou o que era e fiquei muito curiosa em saber . Tenho 45 anos e nao entendi o que isto quis dizer , mas apos ler esta pagina compriendi poucas coisas. Sera que devo consultar um novo ginicologista. Fiquei ainda mais confusa e preocupada com minha saude . Em uma resonancia magnetica foi detectado que eu tenho cistos nos ovarios e no utero , sera que isso aumenta a minha chance de ter cançer de colo de utero ? O que devo fazer ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *